CINECULT: COM O TERCEIRO OLHO NA TERRA DA PROFANAÇÃO

cinecult com o terceiro olho na terra da profanação
No mês de Julho, o CineCult exibirá o longa “Com o Terceiro Olho na Terra da Profanação”, essa exibição, assim como a de agosto, compõe a programação da Mostra do Filme Livre, que ocorre em vários cineclubes espalhados pelo Brasil e hoje representa a maior ação cineclubista do país.
O filme de Catu Rizo traz o cotidiano de três adolescentes na cidade de Nilópolis, periferia, zona da baixada do Rio de Janeiro, onde as meninas vivem suas experiências, dentre elas, rituais de bruxaria.
A questão da mulher, do sagrado feminino e dos ritos pagãos são tratadas em cada uma das cenas da obra. As personagens pouco se comunicam e o silêncio entre elas durante todo o filme é ensurdecedor, assim como o barulho das propagandas no autofalante de uma galeria comercial ou do rádio a tocar temas e música gospel. A paisagem, bastante explorada, demonstra muito bem o dia a dia no município de Nilópolis. Um filme cheio de detalhes dentro de uma atmosfera simples e pacata.
Sinopse:
“Três garotas desenham seu cotidiano com pequenas magias. A cidade de Nilópolis se revela uma terra misteriosa e Sofia, Gai e Tina ocupam as ruas noite, curtem o show da Trash no Star e fortalecem sua amizade com bruxaria e rodinha punk.”
Direção: Catu Rizo
Duração: 63 minutos
Classificação: 12 anos
A exibição acontecerá na quarta-feira, dia 5 de Julho, às 18h30, na Unipampa. Esperamos por você!
Anúncios

Projeto de Pesquisa do PET – Produção e Política Cultural: Grupo de Estudos sobre Política Cultural

Nos dias dezoito de maio, um, oito e vinte e dois de junho, aconteceram as reuniões do Grupo de Estudos sobre Política Cultural – Projeto de Pesquisa do PET – Produção e Política Cultural. As reuniões quinzenais funcionaram com a dinâmica de apresentação de um texto por parte de alguns bolsistas, seguido por debate sobre o tema. Todas as apresentações foram abertas a comunidade acadêmica e contaram com a presença de diversos alunos não bolsistas, inclusive de outros cursos.

O primeiro encontro, no dia dezoito, teve como base o texto “Políticas culturais no Brasil: tristes tradições” de Albino Rubim e foi apresentado pelas bolsistas Milena Cristina Almeida, Karina Brisolla e Pollyanna Cardoso. O texto embasou não somente este encontro, mas também serviu como ponto chave de discussão nas semanas seguintes, discorrendo sobre as três tristes tradições das políticas culturais em nosso país: as ausências, os autoritarismos e as descontinuidades.

O segundo texto, também de autoria de Albino Rubim, “Políticas culturais no primeiro governo Dilma: patamar rebaixado” – assim como os dois próximos artigos, faz parte do livro Políticas culturais no governo Dilma / Antonio Canelas Rubim, Alexandre Barbalho, Lia Calabre, Organizadores. – Salvador: EDUFBA, 2015. -, foi apresentado no primeiro dia de junho, pelo bolsista Renato Vieira e pelas bolsistas Raicilane Santana e Camilla Lourenço, trazendo forte debate, principalmente,  no que tange a necessidade de formação na área cultural, assim como da participação direta e determinante do Estado no que diz respeito a tomada de decisões sobre as verbas públicas destinadas à cultura.

O artigo “Notas sobre os rumos das políticas culturais no Brasil nos anos de 2011 – 2014” de Lia Calabre, foi apresentado pela bolsista Natalia Ney e pelos bolsistas Breno Santareno e Bruno Henrique, no dia oito de junho, devido ao feriado na semana seguinte. Neste dia, o debate permeou as questões relacionadas tanto a diversidade de processos iniciados nas gestões  dos Ministros Gilberto Gil e Juca Ferreira (2003 – 2010), quanto a ausência de empenho para a implementação de uma política cultural efetiva, descontinuidades e continuidades nas gestões das Ministras Ana de Hollanda e Marta Suplicy (2011 – 2014).

Alexandre Barbalho é o autor do texto apresentado no último encontro, “O segundo tempo da institucionalização: o sistema nacional de cultura no governo Dilma” que contou com a exposição das bolsistas Athemis Fonseca e Gezilane Silvestre. A discussão do grupo, dentre várias premissas que rodeiam o SNC, voltou-se, principalmente, às questões referentes aos processos de condução e acessibilidade de atores sociais à participação factual nas Conferências Municipais de Cultura, assim como, da necessidade de alimentação do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC) na cidade de Jaguarão/RS – com o foco na importância do entendimento do conceito ampliado de cultura -, principalmente no que envolve o levantamento dos atores referentes aos eixos já abordados na recente CMC do município.

No próximo semestre começará uma nova etapa do grupo de estudos, com novos textos, novos panoramas e mais debates. Até mais!

 

SEMANA INTEGRADA LGBTQ+

tv_semana_lgbtq+
No mês de junho comemora-se o dia do Orgulho Gay no mundo inteiro e por este motivo o PET-PPC abraçou a causa e fará a Semana Integrada LGBTQ+.
Ao longo dos anos vêm-se falando cada vez mais sobre o espaço dos homossexuais, bissexuais, transexuais, lésbicas e novas siglas que foram sendo agregadas ao LGBT, como o “Q”, de Queer. Cada vez mais é necessário abrir espaços para a comunidade, independente da sigla que o compete, para que tantas pessoas deixem a margem da sociedade e passem a compor (o que é seu direito) o seu lugar, seu espaço.
Em pleno 2017, o Brasil é o país que mais mata LGBT’s no mundo inteiro. Segundo dados da Rede TransBrasil e do Grupo Gay da Bahia (GGB), uma pessoa LGBT é morta a cada 25 horas no país. Esses dados são alarmantes e vem crescendo significativamente durante os anos. No Brasil a homofobia ainda não é caracterizada como crime e, com isto, esse levantamento de dados pode ser ainda pior.
Nós do PET PPC sabemos o quão importante é dialogar sobre este assunto urgente em todo o mundo e inclusive em Jaguarão (RS) que tem sofrido com discriminações e violências contra a população LGBTQ+.
Portanto, neste mês o grupo PET-PPC decidiu promover esta semana de visibilidade com intuito de debater ações afirmativas que permeiam a comunidade LGBTQ+. Para isto criamos uma série de atividades plurais, diversas, tendo Teatro, música, exposições, filme… dentre outras atividades. Iniciaremos a semana com uma exposição sobre lesbofobia seguido de um debate sobre LGBTFOBIA; em próximo momento seguiremos com a programação do nosso costumeiro Cinecult com a exibição do filme Tomboy, seguido de debate sobre transsexualidade; em seguida continuamos a programação com o Prêmio Salto de Outro com shows e performances da arte Drag Queen; Seguimos a programação com espetáculo teatral “A Dama da Noite” do autor gaúcho Caio Fernando Abreu e finalizamos com uma atividade multicultural tendo atrações como a Quadrilha Sapatânica, Shows, manifestações culturais afro-brasileiras e muito mais.
Agradecemos com carinho o casal Natasha Portinelli e Lissa Louchard por disponibilizarem a imagem que compõe a arte de divulgação da Semana Integrada LGBTQ+ e também agradecemos ao Círculo Operário da Cidade de Jaguarão pela cessão do espaço.

CINECULTINHO: KAUAN E A LENDA DAS ÁGUAS

cinecultinho (1)
Em junho o PET Produção e Política Cultural está verde! No mês em que se comemora o dia do Meio Ambiente, o Cinecultinho exibirá um curta-metragem brasileiro que traz toda a riqueza dos povos ribeirinhos para conscientizar o nossos pequenos sobre a importância de preservação dos nossos rios. “Kauan e a lenda das águas” é um filme que mergulha na imaginação da criançada e traz personagens do imaginário popular, como a Iara, que aparece para defender e preservar o rio São Francisco. Kauan e seu amigo Piau (um peixe que salvou-lhe a vida) vivem às margens do Rio São Francisco e, juntos, passam a entender a importância da água para a sobrevivência do planeta e de como a poluição ameaça destruir a terra. O filme aborda de forma divertida e lúdica a necessidade de preservação dos rios e do nosso bem mais precioso: a água!
Venham mergulhar nesta aventura cheia de brasilidade.
Sinopse: Kauan e seu fiel amigo peixe Piau aventuram-se no rio São Francisco. Ingressam em um investigação das regiões onde se localizam as principais bacias hidrográficas brasileiras. Juntos, os amigos desvendam a fauna, flora e os povos ribeirinhos, sem imaginar a dificuldade e os mistérios que surgirão ao longo do caminho.
Direção: José Eduardo Heide Aranha Moura/Magma Cultural
Categoria: animação
País: Brasil
Ano: 2010
Formato: HD
Classificação: Livre

CURSO: IMAGEM DIGITAL

Curso-Imagem digital (1)

O PET Produção e Política Cultural convida todxs a participar do módulo 1 do curso Imagem Digital – Panorama sobre a imagem técnica (fotografia, cinema) e a modernidade, com o Dr. Professor Guilherme Carvalho da Rosa (Professor adjunto do curso de cinema e audiovisual – UFPEL/RS), que acontecerá 28/06 (quarta-feira) de 13:30 às 16h, na Unipampa campus Jaguarão. Contamos com sua presença!
MINI-BIO: É doutor em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2014). Possui graduação em Comunicação Social Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Pelotas (2004). Atualmente é professor da Universidade Federal de Pelotas nos cursos de cinema de animação, cinema e audiovisual e design digital. Na pesquisa em comunicação, atua, principalmente, nos seguintes temas: comunicação e cultura, modernidade, imagens técnicas e audiovisual. Tem experiência técnica nas áreas de desenvolvimento web front-end, direção de arte para design, montagem para audiovisual e motion design.

EMENTA: Este módulo do curso é dividido em duas partes. A primeira delas será dedicada à imagem técnica e sua constituição do ponto de vista ocidental. A reflexão não é apenas tecnológica, mas também sobre um olhar genealógico de um sujeito observador que, de acordo com Jonathan Crary, define sua relação com a imagem enquanto alguém que “observa” um conjunto de regras de diversos dispositivos, dentre eles a câmara escura. A segunda parte do módulo aborda uma concepção de modernidade diretamente ligada com este sujeito observador que, ao mesmo tempo que produz as imagens, é parte de seus dispositivos. Esta relação, junto com outros fatores, produz uma noção de modernidade “neurológica”, apoiada em autores como Georg Simmel e Walter Benjamin, que é decisiva para a “invenção” do cinema como forma social da virada para o século XX.

Aula Pública – Arte Terapia e Reforma Psiquiátrica no Brasil

Arte_AulaPública
“O PET Produção e Política Cultural convida todxs a participar da aula pública com Gilberto Isquierdo, que acontecerá no dia 08/06 (quinta-feira) das 17h às 19h, na Unipampa-Jaguarão. Será tratado o tema: Arte Terapia e Reforma Psiquiátrica no Brasil. Contamos com sua presença!

MINI-BIO: Gilberto Isquierdo é Bacharel em Artes Visuais, possui Habilitação em Escultura pela UFPel, é Pós-Graduado em Arteterapia pela faculdade Marechal Candido Randon Curitiba/PR e Atenção Psicossocial pela Faculdade de Enfermagem/UFPel. Atua como Arteterapeuta em Saúde Mental Coletiva SUS nos Centros de Atenção Psicossocial da Região Sul do RS (Jaguarão, Pelotas, Arroio Grande, São Lourenço) desde os anos 90, sendo militante e apoiador da Reforma Psiquiátrica Brasileira. Desenvolve desde os anos 80 extensa atuação em Artes Visuais com inúmeras exposições individuais e coletivas no país e exterior. Entre os anos 80 e 90, integrou diversos grupos musicais, como: Coxilha/86, Natofício/90 e Voz e Cordas/93. Em 2004, lançou o cd Campurbano; em 2008, gravou de forma independente o trabalho solo intitulado Sons do Silêncio; em 2009, lançou o livro Linha do Tempo, composto de letras de músicas e ilustrações próprias realizadas entre 1987 a 2007; em 2012 lançou o CD Singular e atualmente trabalha o novo álbum, o CD LOKAVIDA, autoral e independente, no qual a temática poético-musical é uma visão pessoal sobre a Reforma Psiquiátrica Brasileira e os resultados práticos em Arteterapia.”