Devolutiva Grupo de Estudos: Políticas Culturais; Infância, Cultura Contemporânea e a Educação Contra a Barbárie.

20987804_1431148746954849_1465719524_n

Grupo de Estudos: Políticas Culturais – PET PPC

Após as férias o grupo de estudos do PET- PPC se reuniu novamente, agora trazendo o texto Infância, Cultura Contemporânea e a Educação Contra a Barbárie, da autora Sonia Kramer, o encontro ocorreu no dia 17 de agosto de 2017 na Unipampa – Campus Jaguarão. As apresentadoras do texto foram as bolsistas Athemis Fonseca, Camilla Lourenço, Gezilane Silvestre e Raicilane Santana. Num primeiro momento os pontos de maior destaque do texto foram expostos e em seguida questionamentos e observações foram levantadas pelos debatedores e pela tutora, questões como o papel e a relação das mídias na educação contra a barbárie, a responsabilidade dos tutores legais de uma criança e a relação com o mundo capitalista, o que é a infância em cada tempo histórico na nossa sociedade ocidental, entre outras questões abordadas e que fizeram parte do encontro.

20988034_1431148576954866_1601816359_n

21040415_1431148633621527_570721115_n

CINECULT: MOSTRA DO FILME LIVRE – SESSÃO CURTAS LIVRES

cinecult

Dando continuidade à Mostra do Filme Livre, o CineCult PET-PPC exibirá na quarta-feira, dia 30 de agosto de 2017, a sessão curtas livres. Essa sessão contará com quatro curtas-metragens premiados pela curadoria da MFL, os filmes são: Algo do que fica, As ondas, Cheiro de melancia e Vando vulgo Vedita.

A Mostra do Filme Livre está em seu 16° ano e acontece em todo o país, envolvendo atualmente 129 cineclubes em 22 estados.

Sinopse e ficha técnica dos filmes pela Mostra do Filme Livre:

Algo do que fica

Avó e neta estão de mudança da casa onde vivem no centro de Goiânia, ao lado do lote do acidente do Césio 137. Em breve a casa será demolida para a construção de um museu. Enquanto isso, uma estranha presença orbita pela casa.

Direção: Benedito Ferreira
Duração: 23min
UF/Ano: GO/2017
Classificação Indicativa: 12 anos

As ondas

À beira-mar, um refletor estroboscópico sonha com uma fábrica de manequins.

Direção: Juliano Gomes, Léo Bittencourt
Duração: 13min
UF/Ano: RJ/2016
Classificação Indicativa: Livre

Cheiro de melancia

Cíntia era pequena quando sua mãe lhe contou sobre o cheiro de melancia, o cheiro que se sente quando o tubarão está por perto. Luísa, 10 anos mais nova que sua irmã, nunca viu o mar. Uma ruína no litoral guarda pedaços da memória e um pesadelo que Cíntia não consegue lembrar o final.

Direção: Maria Cardozo
Duração: 16min
UF/Ano: PE/2016
Classificação Indicativa: Livre

Vando vulgo Vedita

Vando (vulgo Vedita) não é visto faz um tempo nas ruas da Barra.

Direção: Adréia Pires, Leonardo Mouramateus
Duração: 20min
UF/Ano: CE/2016
Classificação Indicativa: 16 anos

DEVOLUTIVA CINECULTINHO: AS AVENTURAS DO AVIÃO VERMELHO

No sábado (08/07/2017), ocorreu a exibição de “As Aventuras do Avião Vermelho” no Cinecultinho. O filme é uma produção gaúcha e gerou grande identificação entre as crianças presentes, por conta da linguagem local bem demarcada. Além disto, as crianças se identificaram com o personagem Fernando, com suas brincadeiras e ‘traquinagens’ próprias da infância. As Aventuras do Avião Vermelho aborda o tema de uma criança que não tem a devida atenção do pai, que se ausenta por não saber lidar com as especificidades da infância. É no livro que, tanto o adulto quanto a criança, encontram um modo de se relacionarem positivamente. O filme atua ainda enquanto um fomentador da leitura, onde por meio dela é possível alcançar tudo o que a imaginação permitir.

DEVOLUTIVA: AULA PÚBLICA – ARTE TERAPIA E REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL

O PET Produção e Política Cultural realizou na quinta-feira (08/06/2017), das 17h às 19h, uma aula pública com o artista e arte-terapeuta Gilberto Isquierdo, no hall do campus Unipampa-Jaguarão. O tema tratado foi ‘Arte Terapia e Reforma Psiquiátrica no Brasil’. Contamos com a contribuição de alguns debatedores: os professores do curso de Letras, Vítor Schneider e Catia Goulart, e o artista e técnico administrativo Silvio Nunes. Isquierdo atua como Arteterapeuta em Saúde Mental Coletiva SUS nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) da Região Sul do RS (Jaguarão, Pelotas, Arroio Grande, São Lourenço) desde os anos 90, sendo militante e apoiador da Reforma Psiquiátrica Brasileira. A partir de seus conhecimentos e experiências, tivemos a oportunidade de debater questões muito importantes sobre a apropriação da arte como método de terapia, bem como a conjuntura política e jurídica que permeia as atuações na área. Pudemos identificar o curso de Produção e Política Cultural como um potencial apoiador na área de Arteterapia, pois temos em comum a visão da arte além de mero entretenimento, e reconhecemos seu papel social. Dos tratamentos surgem trabalhos maravilhosos, desde as artes visuais, passando pela literatura, até a música. Gilberto nos trouxe alguns exemplares para exposição, além de um documentário que contou um pouco de sua história de atuação dentro do CAPS. Os resultados são diversos, e com grande potencial para transformação social, já que o processo criativo e o bom convívio são tratados como prioridades para o tratamento dos pacientes. Bem como pontuou o debatedor Vítor Schneider, atentando para a importância da existência de um órgão autônomo como o CAPS. Silvio Nunes nos trouxe a reflexão sobre como a universidade deveria atuar de formas cada vez mais receptivas à arte, sem que esta e a produção de conhecimento sejam vistas enquanto áreas tão dicotômicas.
Assim, ficou o convite e o incentivo, para que juntemos nossas forças enquanto vivemos uma conjuntura política um tanto desfavorável. Encerramos com a apresentação acústica de Gilberto Isquierdo de uma de suas músicas composta junto com pacientes. Agradecemos imensamente a presença de todos que trouxeram relatos, reflexões e emoções! Até a próxima!