II Semana LGBTQ+ | Toda Cor tem em si uma luz, uma certa magia

LGBTQ+ (1)

Durante o mês de junho comemoramos a Semana do Orgulho Gay em todo o mundo. Vindo ao encontro deste arco-íris de energia, nós do Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Produção e Política Cultural da Unipampa, abraçamos esta causa e apresentamos a II SEMANA LGBTQ+.

A luta em prol dos direitos e espaços da comunidade LGBT cresce e ganha força, mas ainda assim, o Brasil é o país que mais mata e violenta lgbt’s no mundo inteiro. Segundo a Rede TransBrasil e o grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 19 horas um membro desta comunidade é morto no país.

Sim! Esses números são alarmantes e continuam crescendo cruelmente com o passar dos anos. Em pleno 2018, a homofobia ainda não é caracterizada como um crime.

E nós, do grupo PET-PPC, sabemos o quanto podemos instigar este debate dentro do nosso contexto universitário, comunitário e na cidade de Jaguarão, que assim como tantas outras cidades do estado e do Brasil, estão sofrendo com atos de violência e discriminação contra a população LGBTQ+.

Com isso, apresentamos neste mês, a II Semana LGBTQ+, contando com uma programação diversa e atividades artísticas e socioculturais, políticas, informativas, com muita alegria.

A II Semana LGBTQ+ ‘’Toda Cor tem em si, uma luz uma certa magia’’ acontece de 25 a 29 de junho de 2018 na Unipampa. Confira a programação:

Programação II Semana LGBTQ+ (1)-min

Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/221914578408327/

DEVOLUTIVA GRUPO DE ESTUDOS “MULHER, NEGRA, FAVELADA E PARLAMENTAR: RESISTIR É PLEONASMO” DE MARIELLE FRANCO.

32846958_992591964239086_4515466012123987968_n

No dia 18 de maio de 2018, o Grupo de Estudos em Políticas Culturais abordou o ensaio de Marielle Franco “Mulher, negra, favelada e parlamentar: resistir é pleonasmo”, apresentado pelas bolsistas Karina Constantino e Êmily de Araújo e debatido pelos bolsistas Roberto Carso e Tiago Godoy. O texto, que traça um panorama do golpe de 2016, pontuando as opressões enfrentadas por uma mulher ocupando um espaço de poder e evidenciando sua trajetória como vereadora da cidade do Rio de Janeiro, compõe a publicação da coleção CULT “O Golpe na perspectiva de gênero”, organizado por Linda Rubim e Fernanda Argolo.

A análise integra a seguinte conjuntura: Michel Temer como presidente interino e Marcelo Crivella, bispo ligado a uma das maiores instituições religiosas do país, como atual prefeito da cidade do Rio de Janeiro, município onde a vereadora negra e socióloga com origem na favela da Maré, enfrentava a problemática de um discurso patriarcal, sistemático, conflituoso em detrimento de a uma política balizada nas relações de gênero, raça e classe.

O ensaio evidencia o grande entrave gerado por alianças políticas firmadas entre partidos que não compartilham da mesma ideologia, uma dicotomia marcada pela peleja: de um lado os interesses das classes dominantes construídos sobre pilares moralistas e tradicionais sistematicamente estabelecidos e de outro, estratégias que buscam romper o avanço do capital e desenvolver uma sociedade pautada em razão das diferenças e da dignidade humana.

Mesmo se tratando de um texto que discute a triste e recorrente situação de uma sintomática político-social que oprime mulheres, populações negras e indígenas e promove a violência nas periferias através de mecanismos institucionais, principalmente com políticas públicas, que deveriam promover e evidenciar uma sociedade mais justa e igualitária, as palavras de Marielle Franco carregam o otimismo que nos aponta para uma utopia que devemos buscar como fonte, uma força para continuar resistindo e defendendo àquilo que já deveria ser universalmente óbvio, quando se trata dos direitos à vida.

WhatsApp Image 2018-06-07 at 20.05.51WhatsApp Image 2018-06-07 at 20.05.11

PET-PPC em parceria com o CAPS exibe a exposição “Metamorfose” na Galeria Intercultural Magliani

33965179_382387992258581_9041886102113222656_n

Neste mês de Junho, entre os dias 8 e 22, o PET-PPC, em parceria com o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e a Galeria Intercultural Magliani (GIM), exibe a exposição Metamorfose. Abertura da exposição acontecerá nesta sexta-feira (08), às 9h.

Compõe a exposição Metamorfose, obras produzidas nas oficinas de arteterapia do Centro de Atenção Psicossocial – CAPS, ministradas pelo arteterapeuta Gilberto Isquierdo, sendo também o responsável pela curadoria realizada em conjunto com os artistas. O projeto foi idealizado pela discente Karina Brisolla no componente curricular Projeto Cultural III do bacharelado em Produção e Política Cultural da UNIPAMPA sob orientação da professora do curso e tutora do PET-PPC, Carla Rabelo. A metodologia e teoria utilizadas foram a da mediação cultural e da horizontalidade na construção de projetos compartilhados.

Metamorfose significa mudança, transformação, sendo este o objetivo da arteterapia enquanto uma prática de reabilitação psicossocial, gerar algum tipo de mudança através do contato com a arte, funcionando como instrumento de inclusão social.

Objetivando mostrar que essas pessoas existem e produzem, a exposição é entendida enquanto um vetor para que os artistas usuários sejam vistos e ouvidos, instigando a autonomia e protagonismo e desmistificando o imaginário relacionado as pessoas com transtorno mental.

A exposição surge a partir da parceria entre o Grupo de Educação Tutorial – Produção e Política Cultural (PET – PPC), o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), que constroem o projeto de maneira coletiva, e a Galeria Intercultural Magliani (GIM), que abre suas portas para receber as obras e colabora para a realização da exposição.